10.8.08

Leis de incentivo será assunto do 2º seminário da Bienal de Cultura Popular

O papel das Leis de Incentivo na promoção cultural será tema do segundo seminário da Bienal de Cultura Popular de Belém, na próxima quarta-feira (13). Os convidados do evento são a secretária-executiva da Lei Semear, Vânia Nogueira, o empresário Celso Eluan da Sol Informática e a produtora cultural Márcia Macedo. O seminário acontece no Teatro do CCBEU, a partir das 15h30, com entrada gratuita. A proposta do seminário é mostrar a relação entre empresários e artistas através das Leis de Incentivo estaduais e federais, entre elas as leis Semear e Rouanet. Como explica a coordenadora dos seminários da Bienal, Maria Christina a idéia é mostrar como "a partir de projetos culturais, as empresas podem ser aproximar das comunidades". Segundo a coordenação da Lei Semear, criada para incentivar segmentos culturais regionais, a lei está em fase de reformulação. Uma das propostas é para que os empresários possam investir num fundo específico para apoiar artistas em vários segmentos. Márcia Macedo tem longa experiência em projetos culturais, com destaque para o segmento audiovisual. Já Celso Eluan desenvolve política cultural na Sol Informática, financiando artistas em diversos segmentos. Toda quarta-feira, de agosto a setembro, a Bienal realiza seminários, com exceção do seminário sobre Audiovisual que encerra a programação no ocorre no dia 30 de setembro. A entrada é gratuita. Os próximos serão: Fotografia, Audiovisual, Políticas Afirmativas, Teatro, Dança e Literatura. Os temas foram escolhidos a partir da análise das necessidades dos artistas locais. SOBRE A BIENAL A Bienal de Cultura Popular é um projeto da ONG Água Viva, com financiamento das Leis Semear e Rouanet e parceria com a iniciativa privada. Oficinas, seminários culturais e mostras competitivas de música fazem parte da programação. A Bienal tem como público alvo a população mais carente. O projeto tem apoio da Oi, Sebrae, Vale do Rio Doce, da Prefeitura de Belém, por meio da Fumbel, do Governo do Estado, através da Secult, Ministério da Cultura, CCBEU e Centur. O projeto acontece em seis etapas. Em cada uma delas é contemplado um ou dois distritos. O número de classificados em cada eliminatória é proporcional ao número de habitantes dos distritos. As músicas classificadas para as apresentações contarão com banda de apoio e ensaio antes de cada mostra. Das seis classificatórias, 17 músicas vão para a grande final. O primeiro lugar fatura R$ 5 mil, seguido de R$ 3 mil para o segundo; e 2 mil para o terceiro. Também serão premiados com R$ 1 mil, o melhor intérprete, melhor arranjo e melhor letra. As músicas finalistas também farão parte de um CD promocional. Já as inscrições para as Mostras Competitivas de Música dos outros sete distritos de Belém continuam, porém os artistas devem ficar atentos para a data limite das inscrições em cada distrito. Mais informações estão disponíveis no site http://www.bienalculturapara.com.br/ ou pelo telefone 3242- 3174.

30.7.08

Arraial do Pavulagem anima 1º seletiva distrital da Bienal em Mosqueiro

Oito músicas concorrem a duas vagas na final em Belém

O grupo folclórico Arraial do Pavulagem anima a 1ª seletiva distrital das Mostras Competitivas de Música da Bienal de Cultura Popular, no próximo sábado, na ilha e Mosqueiro. Oito músicas foram selecionadas no distrito. Os autores já ensaiaram as músicas com banda e se preparam para encarar o público e os jurados na praça Matriz da ilha, às 20h30. Dessa primeira seletiva, sairão dois classificados para a grande final em Belém, no dia 18 de outubro. Concorrem as vagas as músicas "Meu Castigo", autor Paulo Sérgio; "O Mapa", de Jean Flávio; "Ver-o-peso, de Graciliano Ramos"; "Mosqueiro Poema", Sérgio Frade e Tony Blau; "Encantos de Belém do Pará", de Damião Carvalho; "Chora Vida", de Ronaldo Andrade; "Eu Fui", Osvaldo da Conceição e "Meio Bobo", de Cássio Lobato e Alexandre Souza.

A Bienal de Cultura Popular é um projeto da ONG Água Viva, com financiamento das Leis Semear e Rouanet e parceria com a iniciativa privada. Oficinas, seminários culturais e mostras competitivas de música fazem parte da programação. A Bienal tem como público alvo a população mais carente. O projeto tem apoio da Oi, Sebrae, Vale do Rio Doce, da Prefeitura de Belém, por meio da Fumbel, do Governo do Estado, através da Secult, Ministério da Cultura, CCBEU e Centur.


O projeto, que está sob coordenação do compositor e músico Pedrinho Cavalléro, acontece em seis etapas. Em cada uma delas é contemplado um ou dois distritos. O número de classificados em cada eliminatória é proporcional ao número de habitantes dos distritos. As músicas classificadas para as apresentações contarão com banda de apoio e ensaio antes de cada mostra. Das seis classificatórias, 17 músicas vão para a grande final. O primeiro lugar fatura R$ 5 mil, seguido de R$ 3 mil para o segundo; e 2 mil para o terceiro. Também serão premiados com R$ 1 mil, o melhor intérprete, melhor arranjo e melhor letra. As músicas finalistas também farão parte de um CD promocional. Já as inscrições para as Mostras Competitivas de Música dos outros sete distritos de Belém continuam, porém os artistas devem ficar atentos para a data limite das inscrições em cada distrito. Mais informações estão disponíveis no site
http://www.bienalculturapara.com.br/ ou pelo telefone 3242- 3174.

Direitos Autorais em pauta

Os seminários da Bienal de Cultura Popular de Belém começam na próxima quarta, 6, com o tema Direitos Autorais. Encabeça o assunto, a advogada e professora Maria Brasil, responsável pelo Setor de Propriedade Intelectual (SPI) da Ufpa, em convênio com a Biblioteca Nacional.
O seminário é voltado para artistas que desconhecem as formas de proteger suas obras (livro, música, roteiro de um filme, etc.) por meio do registro. Também participa desta primeira mesa, representante do ECAD. Todos os seminários da Bienal são abertos para o público em geral, com início às 14h, no Teatro do CCBEU. Entrada Franca.

Serão dois meses de seminários, sempre nas quartas-feiras dos meses de agosto e setembro. Leis de Incentivo, Fotografia, Audivisual, Políticas Afirmativas, Teatro, Dança e Literatura serão os próximos assuntos em pauta (confira calendário completo abaixo). Os temas foram escolhidos a partir da análise das necessidades dos artistas locais.


Calendário dos Seminários:

Tema: Direitos Autorais
Data: 6 de agosto
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Leis de Incentivo
Data: 13 de agosto
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Fotografia
Data: 20 de agosto
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Audiovisual
Data: 27 de agosto
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Políticas Afirmativas
Data: 3 de setembro
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Teatro
Data: 10 de setembro

Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Dança
Data: 17 de setembro
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Literatura
Data: 24 de setembro
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

16.7.08

Bienal de Cultura Popular seleciona artistas locais para se apresentarem nas mostras de música

Bienal de Cultura Popular seleciona artistas locais para se apresentarem nas mostras

A organização da Bienal de Cultura Popular de Belém vai selecionar sete artistas ou bandas locais para se apresentarem durante as Mostras Competitivas de Música. A Bienal começou este mês e se estende até outubro em oito distritos de Belém. Serão selecionados sete artistas locais. Cada um deles se apresentará em uma das sete etapas da mostra, além de receber cachê de R$ 1500. Os interessados devem entregar projeto de apresentação até o dia 28 de julho. O edital com todos os detalhes da seleção está disponível no site www.bienalculturapara.com.br. Mais informações pelo telefone 3242- 3174.

A primeira parada da Bienal é no distrito de Mosqueiro. As inscrições para a Mostra Competitiva de Música da ilha encerraram no último dia 17. Agora a organização está pré-selecionando as 14 músicas que se apresentarão na 1ª eliminatória no dia 2 de agosto na praça matriz. As duas melhores composições concorrem na final em Belém no dia 18 de outubro. Paralelo a Mostra de Música, a população da ilha contará com oficinas culturais de 28 de julho a 2 de agosto.

As inscrições para as Mostras Competitivas de Música dos outros sete distritos de Belém continuam, porém os artistas devem ficar atentos para a data limite das inscrições em cada distrito. Além das Mostras de Músicas, a Bienal também promoverá seminários culturais nos meses de agosto e setembro. Direitos autorais, Políticas Afirmativas, Leis de Incentivo, Teatro, Fotografia, Dança, Audiovisual, e Literatura serão os temas abordados por especialistas convidados pela organização.

A Bienal de Cultura Popular é um projeto da ONG Água Viva, com financiamento das Leis Semear e Rouanet e parceria com a iniciativa privada. Oficinas, seminários culturais e mostras competitivas de música fazem parte da programação. A Bienal tem como público alvo a população mais carente. O projeto tem apoio da Oi, Sebrae, Vale do Rio Doce, da Prefeitura de Belém, por meio da Fumbel, do Governo do Estado, através da Secult, Ministério da Cultura, CCBEU e Centur.

A Bienal, que está sob coordenação do compositor e músico Pedrinho Cavalléro, acontece em seis etapas. Em cada uma delas é contemplado um ou dois distritos. Exatas 14 composições concorrem na final de cada etapa distrital. O número de classificados em cada eliminatória é proporcional ao número de habitantes dos distritos. As músicas classificadas para as apresentações contarão com banda de apoio e ensaio antes de cada mostra.

Das seis classificatórias, 17 músicas vão para a grande final. O primeiro lugar fatura R$ 5 mil, seguido de R$ 3 mil para o segundo; e 2 mil para o terceiro. Também serão premiados com R$ 1 mil, o melhor intérprete, melhor arranjo e melhor letra. As músicas finalistas também farão parte de um CD promocional. Detalhes sobre inscrição, regulamento e premiação estão disponíveis no site www.bienalculturapara.com.br ou no telefone 3242- 3174.

29.6.08

Bienal de Cultura Popular de Belém começa em julho


Mosqueiro será o primeiro distrito a receber o evento cultural

A ONG Água Viva, com financiamento das Leis Semear e Rouanet e parceria com a iniciativa privada, lançou na última terça, no Teatro Waldemar Henrique, a Bienal de Cultura Popular. No local, convidados, patrocinadores e imprensa tiveram a oportunidade de conhecer os detalhes de evento que se estende de julho a outubro em oito distritos de Belém. Oficinas, seminários culturais e mostras competitivas de música fazem parte da programação. A Bienal terá como público alvo a população mais carente. Mas o destaque fica por conta das mostras de música que darão visibilidade a novos artistas. A Bienal de Cultura Popular tem apoio da Oi, Sebrae, Vale do Rio Doce, da Prefeitura de Belém, por meio da Fumbel, do Governo do Estado, através da Secult, Ministério da Cultura, CCBEU e Centur.

A Bienal acontecerá em seis etapas. Em cada uma delas, serão contemplados um ou dois distritos (conferir calendário abaixo). Para cada período – aproximadamente 30 dias -, a Bienal vai promover oficinas culturais, como as de musicalização e inclusão digital. Paralelo às oficinas, compositores poderão inscrever seus trabalhos para as Mostras Musicais dos distritos. Exatas 14 composições concorrerão na final de cada etapa distrital. Das seis classificatórias, 17 músicas vão para a grande final. O número de classificados em cada eliminatória é proporcional ao número de habitantes dos distritos. As músicas classificadas para as apresentações contarão com banda de apoio e ensaio antes de cada mostra.

Segundo o coordenador da Bienal, o músico Pedrinho Cavalléro, o evento será uma grande oportunidade para novos talentos mostrarem seus trabalhos. "Os festivais de música se configuram em um grande momento para que os artistas apresentem seus trabalhos para um público interessado em ouvi-los", afirma. O primeiro lugar fatura R$ 5 mil, seguido de R$ 3 mil para o segundo; e 2 mil para o terceiro. Também serão premiados com R$ 1 mil cada, o melhor intérprete, melhor arranjo e melhor letra. As músicas finalistas também farão parte de um CD promocional.

O primeiro distrito a receber a Bienal será o de Mosqueiro (Damos), com eliminatória no dia 2 de agosto (ver calendário completo abaixo). Detalhes sobre inscrição, regulamento e premiação estão disponíveis no site http://www.bienalculturapara.com.br/ ou no telefone 3242- 3174.

Outro ponto importante do projeto serão os seminários culturais que ocorrerão em agosto e setembro voltados para artistas de todos os segmentos. Direitos autorais, Políticas Afirmativas, Leis de Incentivo, Teatro, Fotografia, Dança, Audiovisual, e Literatura serão os temas abordados por especialistas convidados pela organização.

Calendário das Mostras Musicais e oficinas nos distritos:

Damos (Distrito de Mosqueiro)
Data: 02/08
Inscrições: 01 a 17 de julho
Pré-seleção: 18 e 19 de julho
Banda: 21 a 30 de julho
Oficinas: 28 de julho a 2 de agosto

Daico e Daout (Distritos de Icoaraci e Outeiro)
Data: 17/08
Inscrições: 01 de julho a 03 de agosto
Pré-seleção: 04 e 05 de agosto
Banda: 06 a 14 de agosto
Oficinas: 11 a 15 de agosto

Dabem (Distrito do Benguí)
Data: 30/08
Inscrições: 01\07 a 14\08
Pré-seleção: 15 e 16 de agosto
Banda: 18 a 27 de agosto
Oficinas: 25 a 29 de agosto


Daent (Distrito do Entrocamento)
Data: 13/09
Inscrições: 01\07 a 28\08
Pré-seleção: 29 e 30 de agosto
Banda: 01 a 10/09
Oficinas: 8 a 12 de setembro

Dasac (Distrito da Sacramenta)
Data: 20\09
Inscrições: 01\07 a 04\09
Pré-seleção: 05 e 06 de setembro
Banda: 08 e 17 de setembro
Oficinas: 15 a 19 de setembro

Dabel e Dágua (Distrito de Belém e Distrito da Água)
Data 28\09
Inscrições: 01\07 a 11\09
Pré-seleção: 12 e 13 de setembro
Banda: 15 a 25 de setembro
Oficinas: 15 a 19 de setembro

Final:
Data: 18 de outubro
Banda: 6 a 14 de outubro
Ensaio: 15 a 17 de outubro

Calendário dos Seminários:

Tema: Direitos Autorais
Data: 6 de agosto
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Leis de Incentivo
Data: 13 de agosto
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Fotografia
Data: 20 de agosto
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Audiovisual
Data: 27 de agosto
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Políticas Afirmativas
Data: 3 de setembro
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Teatro
Data: 10 de setembro
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Dança
Data: 17 de setembro
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30

Tema: Literatura
Data: 24 de setembro
Local: Teatro do CCBEU
Hora: Das 14h às 17h30


Assessoria de imprensa:

Vanessa Vieira 96095842

Marta Cardoso 81191610

13.6.08

Anglicanos lançam publicação


Foi lançada, no último dia 12, a edição especial da Revista da Diocese Anglicana da Amazônia. A publicação é uma das ferramentas de comunicação que a igreja vai usar para uniformizar as informações e divulgar assuntos de seu interesse na região norte. Além de resgatar a história de quase cem anos dos anglicanos na Amazônia, a revista apresenta os traços mais marcantes do anglicanismo, suas perspectivas na região e o mapeamento da igreja na Amazônia.
Trata-se de uma publicação bilingue - a revista também vai circular na Inglaterra, berço do anglicanismo -, de 20 páginas, produzida e editada pela Focus Comunicação.

23.5.08

Bienal de Cultura Popular de Belém

O teatro Waldemar Henrique ficou lotado no último dia 19, de artistas regionais interessados em conhecer a prévia do projeto da Bienal de Cultura Popular de Belém. Em virtude do grande interesse e da demanda levada pelos participantes, uma nova plenária ocorrerá no próximo dia 2 de junho, no mesmo local, às 18h. Por isso, a data de lançamento da Bienal, que estava agendada para o dia 29 de maio, será remarcada ainda para a primeira quinzena de junho.
A Bienal de Cultura Popular vai levar música, oficinas e seminários sobre cultura para oito distritos de Belém de junho a outubro deste ano. Em cada parada, haverá ainda mostras competitivas de música. As melhores composições participam da grande final em outubro. Serão 20 mil reais em prêmios distribuidos entre os vencedores.

27.3.08

Já está circulando a nova edição da Chão e Teto em Revista



Confira aqui o melhor da 4ª edição da Chão e Teto em Revista


Na 4ª edição da Chão e Teto em Revista você pode conferir dicas de decoração arquitetura, as novidades do mercado imobiliário, cultura, serviço e ações de responsabilidade social. Se você ainda não consegui a sua revista, a gente te adianta os destaques desta edição. Clique sobre as imagens para ler as reportagens.









Alugou uma casa e não sabe quem vai arcar com o IPTU? A Chão e Teto em Revista tira suas dúvidas.












Pensa que os pré - moldados são úteis apenas para as grandes obras? A arquiteta Vanessa Martins explica porque eles vão tomar conta do mercado daqui para frente.

28.2.08

Fábio Pina na mídia

O fotógrafo Fábio Pina foi notícia no Jornal Livre, publicação semanal distribuída gratuitamente em pontos estratégicos de Belém. No espaço, Fábio falou sobre a experiência de participar da "blogosfera". Com menos de um ano de existência, a página virtual tem sido um espaço não apenas de divulgação do seu trabalho, mas também uma ferramenta eficiente de comunicação com o seu público (clique na imagem para ler a matéria).